31 de março de 2014

DUAS BANDAS NO TITANIC

DUAS BANDAS NO TITANIC
PARTE V
O Capitão Smith dispensou os operadores do telégrafo das suas funções às 2:10. Harold Bride lutou junto com outros para libertar um dos últimos botes desmontáveis. Às 2:17 o Convés dos Botes foi inundado e o bote flutuou livre invertido com Harold Bride no seu topo. “Ele [o navio] era um bela visão”, relembrou Bride ao olhar para o navio. Fumaça e fagulhas saiam da sua chaminé... O navio estava gradualmente a virar o seu nariz... A banda ainda estava a tocar. Acho que toda a  banda naufragou. Estavam a tocar então Autumn".
Ao menos dois homens que afundaram com o navio (e sobreviveram) notaram que a música tinha parado de tocar momentos antes do mergulho final: “quando fui pela primeira vez ao convés” escreveu A. H. Bankworth, “a banda estava a tocar uma valsa. A vez seguinte que passei... os membros tinham deixado os seus instrumentos e não estavam a vista”.
Pode-se reparar que quando as bandas pararam todos os botes já teriam partido e eles tinham apenas três minutos até ao fim. O RMS Titanic afundou aproximadamente às 2:20. Todos os membros das bandas morreram. Até o fim, naquele momento, a banda permaneceu anónima. Em nenhum relato dos passageiros eles foram mencionados por nome. Mas nos primeiros dias da cobertura da imprensa, eles emergiram como heróis, tendo sacrificado tudo em favor dos outros. Muitos sobreviventes testemunharam que dos seus botes salva-vidas puderam ouvir “Nearer My God to Thee” como a peça final. Isto deu certa medida de conforto a todos aqueles que perderam alguém. O público queria saber "quem eram estes bravos homens?".
Quando as semanas se passaram, o público ficou a saber que a banda que admiravam não estava coberta pelo “Workmen’s Compensation” (seguro contra acidentes dos trabalhadores). Como passageiros da Segunda Classe, eles não navegavam como tripulantes. Na noite do naufrágio o capitão Smith não dera a ordem para as bandas tocarem, nem mesmo os teria dispensado dos seus postos, porque eles não estavam sob o seu comando. O público entendeu que as bandas escolheram agir da maneira que quiseram agir. Houve um clamor público para que fosse dada alguma compensação para as famílias dos oito músicos que tinham morrido. Concertos beneficentes foram organizados nos dois lados do Atlântico. O que foi prestado no Royal Albert Hall, Londres, em 24 de Maio de 1912, foi apresentado por uma união de sete orquestras e sete condutores se revezando. Sir Edward Elgar sendo um deles.
As acções altruístas das bandas do Titanic tocaram um profundo acorde

Sem comentários:

Enviar um comentário