14 de dezembro de 2010

Nova bactéria descoberta nos destroços do Titanic

Os destroços do RMS Titanic em breve poderão ser perdidos, graças a uma bactéria recentemente descoberta que gosta de comer ferrugem.
Pesquisadores da Universidade Dalhousie, em Halifax, Nova Scotia, no Canadá têm vindo analisando as bactérias devorando os restos do famoso navio, uma vez que se está no leito do Oceano Atlântico Norte.
Usando a tecnologia de DNA, os cientistas Dalhousie Henrietta Mann, Bhavleen Kaur e pesquisadores da Universidade de Sevilha, na Espanha foram capazes de identificar uma nova espécie bacteriana coletada de rusticles (uma formação de ferrugem semelhante a um pedaço de gelo ou de estalactite) a partir do naufrágio do Titanic. A bactéria do ferro-óxido vem mastigando os destroços.Foi nomeada Titanicae Halomonas.
Rusticles são porosas, por isso permitem a passagem da água, pois eles são muito delicados e eventualmente se desintegram em pó fino. "É um processo natural, reciclagem de ferro e devolvê-lo à natureza", disse Mann.
Durante décadas seguintes naufrágio do navio em 1912, o local final de descanso do Titanic permaneceu um mistério. Descoberto por uma expedição em 1985, o navio está localizado a pouco mais de 2 milhas (3,8 km) abaixo da superfície do oceano e 329 milhas (530 quilómetros) a sudeste de Newfoundland, no Canadá.
Nos 25 anos desde a descoberta dos destroços do navio, o Titanic tem se deteriorado rapidamente.
A desintegração do Titanic faz a conservação do navio ser impossível mas, as bactérias fazendo o dano, podem ser úteis para acelerar a eliminação de outros velhos navios e plataformas petrolíferas. Além disso, ela também poderia ajudar cientistas a desenvolver tintas ou revestimentos de protecção contra as bactérias em novos navios.

Sem comentários:

Enviar um comentário